Pular para o conteúdo

Quer ficar rico? Mais que o Bill Gates? Vou ensinar os 10 simples passos para obter a tão esperada independência financeira. É sério! Eu ainda não cheguei lá, mas tenho certeza que vou conseguir te ensinar direitinho. É simples: você vai ganhar dinheiro infinito pela internet enquanto dorme, ensinando outras pessoas a ganharem dinheiro pela internet.

Aliás, quer algo melhor? Seja um empreendedor multishop. É fácil demais: você paga 2000 reais iniciais para a empresa e daí indica seus amigos para ganhar um percentual do lucro deles. Não precisa nem vender os produtos em si, você ganha dinheiro com a comissão dos amigos! Quanto mais gente indicar, mais dinheiro vai ganhar.

Calma! Antes disso deixa que eu faço um currículo para você conseguir emprego amanhã mesmo! Tudo de graça! Mas só se você votar em mim para eu ganhar o prêmio de pessoa mais influente do Brasil.

Emprego pra quê? Você precisa mesmo é aprender marketing de conteúdo! Com isso vai sair da miséria que nem eu e vender qualquer coisa. É simples: crie um ebook de 5 páginas, que eu e meu sócio, Flavio Gamboá, vamos te ensinar a fórmula para captar email das pessoas e enviar spam infinito. Email? Deixa seu email abaixo que eu envio uma planilha de gestão de RH integrada com área financeira.

Isso tudo parece familiar?

A 'Centrífuga Debate - Picaretagem na Internet' também está em formato podcast:

Esses jovens de hoje em dia... Você certamente já ouviu alguém usar essa expressão, ou você mesmo já falou isso. Mas o que são os jovens de hoje em dia? O que é uma geração?
 
O número de posts e memes nas redes sociais comparando o atual com o antigo é impressionante. Não tem dia que eu vejo minha timeline e não tem um post do tipo "se você não conhece tal coisa, você não viveu na melhor época de todas".
 
Rótulos de gerações como X, Y, Z, Millenial, Baby Boom, etc, fazem a história humana parecer mais organizada e uniforme do que ela realmente é. E também possuem a tendência de sempre definir uma geração como melhor do que a outra.
 
George Owell, há quase 1 século, certa vez disse: "toda geração imagina que sua própria foi mais inteligente do que as anteriores e será mais sábia do que as que virão a seguir".
 
Existe um nome para isso: Juvenoia. É o medo exagerado das coisas que afetam os jovens da atual geração. Mas isso não é novidade.
 
Aristóteles, por exemplo, há mais de 2 milênios já criticava os jovens de sua época, falando que eles "acham que sabem de tudo".
 
Em 1627 (sim, no século XVII) "viralizou" um cartaz que debochava da juventude contemporânea, comparando o "agora" com o "antigo". Esse, inclusive, talvez seja um dos primeiros memes da história!
 
Aliás, o medo que sempre tivemos da juventude moderna e com pensamentos inovadores é a razão pela qual "Honra a teu pai e a tua mãe" é um dos 10 mandamentos.
 
Não, nossas gerações não são nem melhores do que as anteriores nem piores que as posteriores. Somos apenas diferentes. O mundo muda, evolui.
 
E é isso que permite com que possamos fazer coisas que hoje são consideradas tão pedestres como postar algo nas redes sociais e sermos ouvidos pelo mundo todo instantaneamente.
 
Gerações são apenas uma forma de guiar nosso pensamento e o jeito que agimos. Não tenha medo de mudanças, no final do dia ainda estamos no mesmo barco, navegando a mesma água.
Talvez sejam ainda o que Picasso disse sobre a arte: mentiras que dizem a verdade.

O inglês é o idioma mais importante do mundo corporativo ocidental. Entretanto, muita gente ainda discute o porquê de empresas pedirem fluência no idioma para contratar funcionários, mesmo que não seja usado na vaga. Trouxemos esse debate para a Centrífuga.

A 'Centrífuga Debate - Do you speak English' também está no formato podcast:

A cada 5 segundos uma vaga de emprego desaparece no país. Conhecido como “quarta revolução industrial”, o processo de desenvolvimento da inteligência artificial e da robótica deve eliminar milhões de empregos nos próximos anos nas maiores economias mundiais, segundo o Fórum Econômico Mundial.

A Centrífuga dessa semana debate as causas desse fenômeno e como você pode evitar ser a próxima vítima.

A Centrífuga 'Seu emprego acabou?' também está no formato podcast:

Você já parou para pensar que seu emprego pode não existir mais em alguns anos? Em 1938, o jornal Estadão publicou um anúncio em seus classificados, convidando pessoas a participarem de um curso de datilografia, a profissão de futuro.

Aqueles que resolveram participar realmente tiveram uma profissão de sucesso durante anos. Mas não demorou muito para que os computadores popularizassem e a profissão se tornasse obsoleta. Atualmente, a tendência é que esse processo fique cada vez mais rápido.

Estudos mostram que 47% das profissões atuais não deverão mais existir em 10 anos. Estima-se, também, que acima de 70% das profissões que existirão em 2040 sequer foram inventadas.

Por isso repito: já se tocou que seu emprego pode estar ameaçado? Pode ser um jovem nerd que vai criar um app ou um novo serviço que vai competir com o seu atual. Como você está se preparando?

Eu poderia escrever mais sobre isso, mas deixo uma reflexão de Marthin Luther King que resume o que eu acredito: "O valor de um homem não se dá por onde ele está em momentos de conforto e conveniência, mas o que ele faz em momentos de desafio e controvérsia."

Vai continuar negando a realidade ou quer saber o que você pode fazer?